Universitária de Arquitetura do Unasp Engenheiro Coelho ganha prêmio em bienal internacional

Cultura e Ciência

Escrito por

Gisele Calisto

Publicado em

08 nov 2019

Tags:

Os trabalhos premiados serão publicados no catálogo do evento

Uma pesquisa apresentada pela estudante Pâmella Victória de Arquitetura do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho, na Bienal Internacional de Arquitetura Acadêmica Adventista (BIAAA) foi destaque entre os trabalhos apresentados no evento. O encontro aconteceu na Universidade Adventista Peruana Uníon (UPeU), no Perú.

A Bienal é um evento de arquitetura que reúne designers, professores e universitários para apresentar e debater pesquisas e interagir com workshops.  O evento acontece a cada dois anos e reúne instituições adventista da América Latina e Ásia.

Durante a Bienal, foi realizado uma seleção dos trabalhos inscritos para a apresentação oral e publicação no Catálogo do Evento. Após as apresentações, os pesquisadores selecionados receberam medalhas de “melhor projeto de pesquisa”. Dentre os projetos de pesquisa selecionados estava o de Pâmella. Conheça o trabalho de Pâmella Victória.

A BIAA foi uma junção de atividades, inclusive, voltadas para a socialização dos estrangeiros assim como a brasileira Pâmella Victória: “Obtive um retorno positivo. Troquei contatos, pesquisas e ideias, desde alunos à palestrantes e professores. Mas, sem dúvida, os alunos que me procuram contribuíram muito para que a minha investigação não pare por aqui”, explica a universitária que pretende investir no campo da pesquisa científica.

 Atividades
O evento contou com palestras que abordaram as diversas realidades arquitetônicas e urbanas da américa latina. “Participei de oficinas experienciais, onde pudemos compreender a realidade de espaços educacionais no Peru; workshop internacional, na qual representantes de um escritório renomado de arquitetura, na América do Sul, propôs que pensássemos numa nova compreensão de arquitetura para um futuro sustentável; e, por fim, as apresentações orais, em que eu e demais narradores selecionados abordamos nossas pesquisas e projetos”, explica.

Quem participou do encontro teve a oportunidade interagir e conhecer as diversas realidades no mundo e suas respectivas maneiras de pensar os espaços da arquitetura. “Apesar de todo ser humano ter necessidades em comum, cada território apresenta exigências muito especificas, que precisam de pensadores para os mitigar e solucionar”, afirma. “Outra coisa especial, além da oportunidade incrível de expor a minha pesquisa, foi conhecer e estabelecer vínculo com outros alunos, professores, pesquisadores, arquitetos e suas diversas maneiras de atuação”, finaliza a universitária.