Estudantes de Fisioterapia exploram novidades da Biotecnologia no Unasp

Impacto Social

Escrito por

Murilo Pereira

Publicado em

13 maio 2016

Nesta semana, entre os dias 9 e 11 de maio, aconteceu a 18ª edição da Semana de Fisioterapia no Unasp campus São Paulo. A biotecnologia que pode ser resumida como a tecnologia através da vida e para benefício dela, foi o tema principal. Com palestras teóricas, mas cheias de demonstrações práticas os universitários do curso descobriram diversas inovações e equipamentos lançados recentemente para aprimorar o uso em pacientes com necessidade de reabilitação.

“A proposta do evento foi falar de um assunto extremamente atual, mas também de um assunto que faz parte da formação do fisioterapeuta. Na conduta fisioterapêutica nós já trabalhamos com biotecnologia. Nós buscamos mostrar o panorama da realidade do mercado, a direção em que a reabilitação está indo para que eles possam estar atualizados nesse tema que eu considero extremamente prioritário para o fisioterapeuta. O mercado está exigindo esse conhecimento e a prática do fisioterapeuta ligado a biotecnologia”, explicou o coordenador do curso, Abrahão Quadros.

Além do conhecimento compartilhado por meio de palestrantes convidados da USP, Unifesp e Unasp, os alunos também tiveram a oportunidade de experimentar o uso de diferentes aparelhos e técnicas através de minicursos oferecidos nos laboratórios e nas salas de aula.

No segundo dia do evento, foram oferecidas oficinas de Ergoespirometria que é o teste que se faz para medir a capacidade física; Ventilação Mecânica para pacientes com insuficiência respiratória; Eletrocardiograma; Dermatologia funcional em queimados; Eletroterapia nas disfunções miccionais; Biotecnologia e Dermatofuncional e Fotobiomodulação por meio de Led.

Para a estudante Daisy Maykendell, que está no último ano do curso, a semana veio em um momento bastante oportuno para ela que deseja usar a biotecnologia para especializar-se em dermatofuncional com o objetivo de ajudar pacientes vítimas de queimaduras.
“Eu acredito que seja um diferencial porque não se vê muitos fisioterapeutas na área de queimados. É importante pesquisar sobre o assunto e sair com uma bagagem boa já que não é um tema preferido pela maioria e a biotecnologia dermatofuncional para queimados é muito boa”, afirmou.

Enquanto Daisy se prepara para começar a carreira profissional, Jaqueline Leal, que está no primeiro semestre curso, conta que a Semana de Fisioterapia a ajudou a compreender melhor a profissão. “Nesta semana eu pude conhecer mais a Fisioterapia. Um pouco mais da área e suas especialidades. Eu penso muito em ajudar as pessoas, em querer ver a reabilitação no olhar das pessoas e a felicidade delas. Pretendo também me especializar na área esportiva”, disse.