Semana de Engenharia Civil do Unasp aborda a formação e responsabilidade do engenheiro

Profissão e Mercado

Escrito por

Jota Terres

Publicado em

29 Maio 2019

Crédito imagens

Venâncio Evensen/ Jota Terres

Palestras e minicursos reforçaram conceitos e prática do profissional da área

A Faculdade de Engenheira Civil do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho (SP), está realizando entre os dias 27 a 30 de maio a XVI Semana de Engenharia Civil. O encontro tem o objetivo de capacitar os universitários e a comunidade interessada em aperfeiçoar seus conhecimentos por meio de oficinas, palestras e discussões acadêmicas.

“Nestes anos todos, nós buscamos trazer visões externas, elaborando dinâmicas, ofertando palestras de todos os temas possíveis. Mas em especifico, o diferencial da semana de engenharia de 2019, são os minicursos que atendem interesses emergentes para que os alunos saiam formados tanto com êxito acadêmico, quanto profissional”, enfatiza Artur Lenz, coordenador de Engenharia Civil do Unasp.

Segundo o Censo da Educação Superior, em 2015 mais de dois milhões de estudantes tiveram que escolher por uma das 324 carreiras oferecidas no Brasil. Nos últimos 15 anos o número de universitários dobrou, mas a escolha por alguns cursos específicos permaneceu e quase 11 milhões de acadêmicos se formaram na faculdade e receberam o diploma.

A formação e responsabilidade do engenheiro civil

A Engenheira Civil Flávia Smoler foi aluna do Unasp e após quatro anos volta ao campus como uma das palestrantes para os universitários de Engenharia Civil.

Impulsionada principalmente pelos grandes eventos esportivos, a Engenharia Civil tinha em 2015 350 mil alunos de graduação matriculados. Nesse ano, 25.217 novos engenheiros civis receberam o diploma, um aumento de 404% nos últimos 15 anos.   A engenheira Flávia Smoler da Costa faz parte desta porcentagem; em 2015 ela conquistou o sonhado diploma pelo Unasp.  Hoje, ela compartilha sua experiência com gestão de obras com os alunos que desejam uma carreira de sucesso.

“Voltar a instituição que me formou, é emocionante. Mas nos fins das contas, eu não sou nada além do que eles serão daqui há quatro anos. Através da minha palestra, busquei ampliar as perspectivas do trabalho do engenheiro civil e mostrar para eles que somente através do esforço estes poderão ter o mesmo resultado”, declara Flávia.

Gestão de obras é um tipo de serviço contínuo e dinâmico, que tem como foco a efetivação de projetos de arquitetura e engenharia e suas execuções. É a melhor garantia para que tudo se materialize no tempo proposto, e dentro do orçamento que foi estipulado.

Cada etapa de uma obra precisa ser bem planejada para que tudo saia corretamente, de acordo com o esperado. No Brasil, a Lei 5.194, de 1996 especifica que arquitetos e engenheiros civis têm a atribuição de realizar gerenciamento de obras.

Engenharia Civil Unasp

O curso de Engenharia Civil do Unasp capacita seus alunos a projetarem construções para indústrias, habitações e transportes. O curso também oferece a oportunidade de o aluno conhecer, através de visitas dirigidas a empresas e instituições, os processos de produção dos materiais utilizados no dia a dia do Engenheiro Civil. Este foi o cenário acadêmico que o universitário Vitor Sacilotto, 25 anos buscou para ser sua graduação.

“Quando decidi meu curso, foquei em encontrar uma instituição que fosse reconhecida por oferecer excelência de ensino e flexibilidade de horários. Em função de eu morar me Limeira (SP), precisava de uma faculdade próxima. Assim, ao conhecer o Unasp e toda a sua estrutura soube que aqui teria o melhor para o meu futuro profissional”, declara Vitor.

Além da sala de aula, ainda existem projetos de extensão que estimulam a prática profissional como cursos básicos em programação e softwares das novidades tecnológicas no mercado de trabalho. “Entre os diferenciais da Faculdade de Engenharia Civil do Unasp nós podemos elencar um corpo docente de alto nível, composto por sua maioria por mestres e doutores e professores experientes, temos uma estrutura de laboratórios com muito além dos requisitos medianos que o MEC exige, isso sem falar no intenso fomento à pesquisa desenvolvidos no Bacharelado”, Lenz.