Pesquisa de historiadoras do Unasp ganha publicação no III Simpósio ICOMOS

Artigo

Escrito por

Raiane Lívia

Publicado em

31 jul 2019

Crédito imagens

Arquivo

O estudo desenvolvido sob orientação da professora Janaína Xavier apresenta o princípio de falso histórico aplicado a demolição e reconstrução da estação ferroviária de Artur Nogueira (SP)

A pesquisa das alunas egressas da Faculdade de História do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho, Alessandra Ribeiro, Amanda Dezembre e Elaine Medeiros sob a orientação da professora Janaína Xavier foi publicada no III Simpósio Científico do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS), ocorrido em maio de 2019 na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Com o título “O princípio de falso histórico Brandiano aplicado na demolição e reconstrução do patrimônio ferroviário de Artur Nogueira”, a pesquisa de apresenta a discussão sobre o princípio de falso histórico apresentado pelo autor Cesare Brandi. Através dessa perspectiva, se buscou relacionar a teoria com o caso da estação ferroviária do município de Artur Nogueira no interior de São Paulo.

A investigação

O estudo apresenta a importância histórica da estação para a cidade. Ela representa significativamente o desenvolvimento do atual Núcleo Colonial Campos Salles. A estação foi construída em 1906 para fazer ligação entre os municípios próximos, trazendo muitas das famílias imigrantes que se estabeleceram na colônia e transportando os produtos agrícolas. Ela se estabelece então como indispensável na expansão da economia local. Ao seu redor o núcleo urbano se constituiu e se tornou um ponto de encontros e despedidas na memória dos nogueirenses.

O foco das pesquisadoras se dá na reconstrução da estação ferroviária de Artur Nogueira. Após a demolição no ano de 1978 da construção antiga pela administração municipal, uma réplica foi construída e inaugurada em 2011. O objetivo da investigação foi entender os processos de demolição e a reconstrução da réplica tomando o princípio de falso histórico brandiano.

Teoria de Brandi

Considerado um dos grandes pensadores do século XX, o teórico Cesare Brandi se dedicou à crítica, história da arte, estética e, especialmente, à restauração. Em 1963 a Teoria da Restauração. A partir daí esse texto daria base para diversas ações de intervenção em obras de arte e monumentos arquitetônicos e arqueológicos, utilizado inclusive pelo Ministério da Instituição Pública do Governo da Itália que redigiu a Carta do Restauro orientando os órgãos públicos sobre os procedimentos que deveriam ser adotados nas ações de restauração e salvaguarda.

O estudo pode ser encontrado na íntegra nos anais do 3º Simpósio Científico ICOMOS.