Orquestra de Sinos abre temporada de Natal no UNASP-SP

Não Classificado

Escrito por

Redação

Publicado em

09 nov 2015

A Orquestra de Sinos do UNASP campus São Paulo inaugurou na noite do dia 8 de novembro a temporada de concertos natalinos. A apresentação que impressionou e emocionou o público que esteve presente no salão Nobre contou também com convidados especiais.

O Coral Juvenil, tradicional grupo infanto-juvenil da Acarte acompanhou os sinos em canções especiais e clássicas de Natal. Além do coral, todas os grupos de sinos da Acarte se apresentaram, desde os menores, até a orquestra principal. Atualmente, o UNASP-SP possui 5 grupos de sinos em diferentes faixas etárias. Assim como ocorre com os grandes clubes de futebol profissional, a Orquestra de Sinos também mantém as suas categorias de base.

“Para se ter um grupo mais avançado sempre tem que ter uma base porque se não a gente nunca alcança um nível bom. O pessoal se forma e vai embora e se tiver que começar todo ano do zero, aí a gente nunca atinge o bom nível que almejamos. Por isso temos vários grupos. Começa lá de baixo, desde o juvenil, passando por um grupo intermediário e um grupo mais avançado. Assim, um grupo alimentando o outro”, explica o maestro Welington Ferreira que dirige a Orquestra de Sinos desde o início.

Com 13 anos de existência, o grupo que já se apresentou em programas de TV de grande audiência em diferentes emissoras e sempre é convidado para se apresentar em diversos eventos e celebrações, no ano do Centenário do UNASP-SP teve papel importante ao abrir todas as sessões solenes que homenagearam o UNASP na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, na Câmara Municipal e na Câmara dos Deputados em Brasília.

A orquestra é composta por voluntários que são profissionais e universitários de diferentes áreas e formação. Andrew Pavam, estuda Ciência da Computação, e desde que chegou ao campus em 2014 participa do grupo principal. “Eu gosto muito de música e também gosto muito de tecnologia. Então, eu estudo Tecnologia e como hobbie eu estudo música. Aqui o repertório é bem mais animado e o grupo é muito unido. Eu achei isso interessante porque assim que cheguei aqui o povo já me acolheu e eu não me sentia afastado de nada”, conta o universitário que antes de chegar ao UNASP-SP já participou de grupos semelhantes.

Sobre o concerto de Natal, o maestro considera que foi uma boa oportunidade de apresentar ao público do campus o repertório amplo que a Orquestra de Sinos possui. “Todo ano fazemos um repertório e queremos apresentar esse repertório. Tocamos muito fora do UNASP, em outras cidades e outros lugares, mas aqui no UNASP a gente raramente faz um concerto com muitas músicas. Tocamos na igreja uma música, mas um concerto contendo doze músicas não é sempre. Então aproveitamos para mostrar um pouquinho do nosso repertório aqui no UNASP”, justificou Ferreira.

Além dos sinos e das músicas de Natal, o concerto separou um momento para homenagear duas professoras que fizeram a história do Coral Juvenil. Durante muitos anos, Rute Costa e Marisa Klein, foram as professoras de musicalização da Acarte e regentes do Coral Juvenil. Grandes nomes da música cristã e adventista foram alunos delas e passaram pelo coral. A influência delas na formação de gerações de músicos e outros profissionais que passaram pelo campus do UNASP-SP, foram lembradas na ocasião.

“Eu fui professora e dei aula de piano, de folclore e fui regente do Coral Juvenil. Vim para o IAE em 1968 como professora e lecionei até 2004. Foram 36 anos, eu acho. É muito importante ao dar aula ver os alunos que eram coristas, hoje adultos, profissionais bem-sucedidos até na área de música como muitos aqui. Isso é uma alegria para nós. Foi emocionante”, afirmou a professora Marisa.

A professora Rute conta que se emocionou ao ver alguns de seus ex-alunos regendo o Coral Juvenil e outros grupos musicais. A ocasião fez com que recordasse muitas lembranças da época em que participou da fundação do Coral Juvenil junto ao maestro Willians Costa Junior. “Foi com muita emoção que eu assisti esse programa porque nós vivemos momentos de muita alegria nesse palco. Eu fico muito feliz pelo colégio preservar décadas e décadas dessa coisa boa que é essas crianças viverem a música desde o primário. Dos pequenos cantores passam para os juvenis, depois passam para os jovens e depois passam para o coral de câmara, enfim, a música é um tesouro que essa escola tem preservado”, expressou.

Por Murilo Pereira