Brincadeiras educativas para as crianças na quarentena

Artigo

Escrito por

Glória Barreto

Publicado em

21 abr 2020

Criança brincando de bolinha de sabão
As brincadeiras antigas são uma boa opção para as crianças se divertirem na quarentena.

Diferente das férias regulares anuais a quarentena não permite as crianças brincarem com seus amiguinhos, as famílias não podem viajar e os pequenos são orientados a não passar a temporada na casa dos avós, porque estes fazem parte do grupo de risco da COVID-19.  O que resta as famílias é manterem os filhos ocupados com brincadeiras educativas que os distraiam dentro de casa. Uma tarefa desafiadora devido ao excesso de tempo e a energia que as crianças têm.

Para ajudar os pais com brincadeiras educativas e divertidas para a quarentena, entrevistamos a pedagoga e psicomotricista, Selma Fonseca que além de coordenar o curso de pedagogia do Unasp Hortolândia é mestre em educação e doutoranda em educação e currículo. Neste bate-papo a Selma destacou as características das crianças que devem ser levadas em conta no momento da escolha das brincadeiras e também sugeriu diversas atividades divertidas e educativas que podem ser feitas em casa.

A entrevistada Selma Fonseca é pedagoga, psicomotricista, mestre em educação e doutoranda em educação e currículo.

Leia a entrevista:

O que os pais precisam levar em conta ao pesquisar e realizar atividades para as crianças na quarentena?

Existe uma característica que é comum tanto em crianças da educação infantil, quanto no ensino fundamental I, que é o movimento. Se os pais e professores compreendessem que todos os conceitos escolares são construídos a partir do movimento corporal, eles deixariam as crianças brincarem mais e trabalharem mais com os movimentos amplos como os movimentos de coordenação motora fina.

Que sugestões você pode dar aos pais de brincadeiras para substituir os eletrônicos e que sejam interessantes aos pequenos?

Se eu tivesse que dar um conselho aos pais tanto para crianças pequenas, quanto maiores nestes dias de quarentena, eu diria que faz muito bem a estas crianças começarem a brincar com as mesmas coisas que talvez pais e avós tenham brincado em sua infância. Aquelas que a gente chamava antigamente de “brincadeiras de rua”. Como pega-varetas, esconde-esconde, amarelinha, bolinha de gude, cinco marias, entre outras, que nós adultos já achamos muito divertidas no passado.

Bolinhas de gude - brincadeira antiga
Aquelas que a gente chamava de “brincadeiras de rua”ainda são ótimas sugestões de atividades para as crianças.

Dependendo do espaço dentro de casa, as brincadeiras vão incluir mais a coordenação motora fina do que motora global. Têm famílias que moram em apartamentos, então talvez ali não sejam possíveis movimentos tão grandes, mas a gente pode explorar muitas brincadeiras que desenvolvem o raciocínio e a habilidade motora da criança.

Sabendo que algumas brincadeiras não se aplicam a todas as idades, você poderia citar algumas atividades que os pais podem realizar, por faixa etária?

Então, vamos pensar em uma criança de educação infantil, para essas crianças as coisas maiores são mais fáceis para serem trabalhadas, manuseadas. Sem contar que é preciso levar em consideração que até os três anos, algumas crianças gostam muito de conhecer seu corpo e colocam objetos pequenos no ouvido, boca ou nas narinas, portanto é preciso tomar alguns cuidados em relação a isso. Para elas, indico brincar com objetos maiores, por ser mais interessante e seguro.

Já as crianças maiores, considerando dos sete aos 10 anos, elas já têm noção de jogos com regras. Neste sentido, é possível brincar com elas em todas aquelas modalidades de jogos. Brincadeiras antigas como as cinco marias, bolinha de gude, algum tiro ao alvo (como uma bola de papel no balde, com o balde em diferentes posições) entre outras.

Levando essas premissas em consideração, Selma deixou algumas sugestões de brincadeiras educativas para as crianças realizarem em casa durante a quarentena.

Brincadeiras Educativas e divertidas

 Essa é aquela brincadeira antiga de fazer animais com legumes, fincando palitos na cenoura na batata. Depois a criança monta uma fazenda com a bicharada toda.

Outra coisa que pode ser feita também, é a própria culinária. Porque a culinária muitas vezes exige habilidades motoras finas. E a criança pode se divertir ajudando a mãe na cozinha, ao mesmo tempo que se desenvolve motoramente. Seja fazendo bolinhas com a massa de pão, espetinhos de frutas, mexendo a massa de bolo, quebrando um ovo.  As medidas também que ajudam a criança entender na prática os conceitos de quantidade, peso e volume e assim por diante.

Tarefas como arrumar a mesa e contar pratos para os membros da família, são ótimos para criar as bases do raciocínio lógico matemático.

No caso dos maiores a culinária tem objetivos diferentes. Colocando nesta culinária problemas mais elaborados. Por exemplo, questionar a criança sobre a possibilidade de aumentar a receita, pedindo para ela ajudar a recalcular a quantidade de ingredientes. Ou consultando o preço dos ingredientes na internet e calculando os preços para saber o valor necessário para comprar os ingredientes de determinada receita.

Vale também colocar uma música, para as crianças criarem gestos e movimentos. Que podem ser filmados e enviados para os coleguinhas gravarem outros vídeos imitando a coreografia inicial. Essa atividade pode até se tornar uma Live da criança nas redes sociais para os amiguinhos acompanharem.

Um quebra-cabeças de muitas peças pode ser montado em família. É uma maneira de todos trabalharem juntos, aprendendo a se comunicar, perseverar, conviver e colaborar em um projeto em comum. Um trabalho excelente de espaço e de percepção visual como um todo.

Como as crianças amam entrar em uma cabana! Pode ser embaixo de uma mesa coberta, ou um lençol sob um grupo de cadeiras. Elas vão brincando de casinha, acampamento, imitando a mamãe ou o papai com as bonecas e carrinhos.

Esta é uma boa oportunidade para os pais observarem como a criança resolve seus problemas sociais, suas angústias e suas dificuldades, através do brincar de casinha. Uma atividade gostosa e tremendamente educativa!

Essa é uma atividade interessantíssima que trabalha a coordenação motora fina e estimula a persistência, atenção e concentração. As pessoas dão pouca importância para o crochê e o tricô. Mas na verdade grandes cirurgiões utilizam esta habilidade manual para desenvolver a firmeza e objetividade no movimento.

Podem ser feitas várias atividades à partir deste princípio, como o jogo de dominó, jogos de memória, jogo de bulica, jogo de bafo (virar figurinhas).

Uma brincadeira bem interessante para aprender geografia, por exemplo, é o jogo batalha naval. Para aprofundar, as crianças poderiam relacionar nome de país, bandeira, capital, continente e uma comida típica. Podendo pesquisar uma receita da região e tentar fazer para experimentar. 

Também vale de lembrar que existe uma variedade de brincadeiras antigas que podem ser pesquisadas na internet. Elas vão divertir adultos saudosistas e crianças.

Que tal aproveitar o tempo para organizar a árvore genealógica da família?

Pode ser um trabalho de detetive, buscando a origem do sobrenome na internet. Ligando para os avós e descobrindo o nome de seus pais, avós e quem sabe a nacionalidade de seus ancestrais. O desafio é ir o mais longe possível no passado.

As vezes o corpo “grita” pedindo para se movimentar. Neste caso vale brincar de amarelinha, boliche com garrafas pet, pular corda, cambalhotas, bambolês, pular elástico. E para quem mora em prédios, que tal passear nas escadas com movimentos diferenciados, como na brincadeira do “siga o líder”.

Brincadeira antiga - amarelinha
Brincar de amarelinha é uma ótima opção para a criança movimentar o corpo.