Arqueólogo mostra arquitetura da cidade desconhecida de Néguev

Cultura e Ciência

Escrito por

Eva Cueva

Publicado em

17 nov 2018

Crédito imagens

Venâncio Evensen

O arqueólogo Pablo Betzer apresenta evidências de uma realidade histórica pouco conhecida de Israel

Conhecer os lugares por onde Jesus passou desperta a curiosidade de muitas pessoas e entendidos da área, por isso muitos pesquisadores e arqueólogos levam anos de estudos para descobrir esses enigmas, mas o que acontecia fora das cidades principais? Qual era a realidade de esses outros povos quase nada conhecidos?

A segunda edição do Congresso Internacional de Arqueologia Bíblica realizado no Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), em Engenheiro Coelho, apresentou workshops com temas pouco abordados. O intuito é mostrar os estudos até agora feitos e suprir as dúvidas de muitos interessados. Pablo Betzer é mestre em Arqueologia Clássica pela Universidade Hebraica de Jerusalém e fez parte do grupo de especialistas do Congresso. O estudioso já participou e dirigiu escavações em Jerusalém, Horkania, Qumran, Ein Gedi, Beit Loya, Kfar Uria e atualmente trabalha para o Governo de Antiguidades de Israel.

O arqueólogo abordou sobre “Sobrevivência no deserto: O florescimento de cidades cristãs no Néguev durante o período Bizantino”. Para Betzer, mostrar o outro lado da moeda de uma realidade pouco falada de Israel é seu principal objetivo. “Geralmente neste tipo de congresso se fala tudo sobre as zonas arqueológicas de Jerusalém ou de Galileia, lugares por onde Jesus caminho e não se tem em consideração as vidas inteiras além da zona fértil de Israel, é por isso que hoje minhas investigações são baseadas no Sul desse país”, enfatizou.

De acordo com Pablo, o estudo das ruínas feitas pelo arqueólogo mostra como o povo de Néguev conseguiu desenhar uma arquitetura perfeita com canais de irrigação que ajudavam a sua população. “Com uma área de 13 mil quilômetros quadrados a cidade de Néguev, está situada no sul de Israel. As precipitações têm em média de 100mm de água por ano, mas o que levou essas pessoas a ficarem nessa cidade. Este povo é o responsável de construções como a cidade de Petra, lugar onde foi rodada o filme “O cálice sagrado” do conhecido ator Indiana Jones”, afirma.

Segundo as investigações, as igrejas, casas e todo o desenho achado pelo arqueólogo como a importância do vinho para esse povo deve ser de conhecimento para nossos dias, e a importância da divulgação é tarefa dos profissionais do assunto.