Universitários promovem trote solidário com calouros

Impacto Social

Escrito por

Sabrina Girotto

Publicado em

15 mar 2018

O Trote Solidário acontece no Unasp Hortolândia desde 2013.

O trote universitário é uma tradição medieval que acontece nas universidades todo começo de ano. Com o objetivo de mostrar para os alunos calouros como funciona a rotina estudantil, os alunos veteranos executam uma serie de torturas e “brincadeiras” com os ingressantes. Infelizmente, muitos alunos não gostam desse “ritual de passagem” e ficam até com medo de ir à faculdade nas primeiras semanas.

Com o tempo, as universidades começaram a perceber o quão sério é esse tipo de brincadeira e simplesmente proibiram esse ritual. Outras, trocaram por algo um pouco diferente, o Trote Solidário, que desde 2005 é incentivado dentro das escolas por serem mais humanizados e desenvolverem o espírito solidário nos alunos.

No UNASP Hortolândia não é diferente. Desde o ano de 2013, os alunos são estimulados a doarem alimentos a instituições carentes. Todo começo de ano, o Programa de Apoio ao Discente, faz uma campanha de doação de alimentos, que se estendem durante o 1º semestre. “Temos como objetivo desenvolver no aluno um espírito doador e de voluntariado, além de fazer uma ponte entre ele e instituições que necessitam de doações. Mas não acaba por aí. Cada quilo de alimento ou litro de leite equivalem a uma hora complementar. Com esse incentivo, fica até difícil não querer doar”, brincou a professora Karina Girotto, diretora do PROAD.

Anne Carolyne, ingressante na Comunicação Social, ao falar sobre os trotes comuns de universidades disse que por um momento ficou pensativa, mas que assim que viu os cartazes sobre o Trote Solidário espalhados por todo o campus, ficou mais tranquila. “Acho bem mais interessante esse tipo de trote. Geralmente o pessoal corta o cabelo dos novatos ou pintam e isso não é legal” garantiu a aluna, “mas além disso, esse trote solidário é bom pois aqui no Unasp, eles te dão a oportunidade de conseguir umas horas complementares, o que nos ajuda bastante. Ou seja, é uma via de mão dupla. Nós ajudamos ao próximo e ao mesmo tempo somos ajudados” finalizou Anne.

E para quem ficou curioso em saber o destino das doações, o campus informa que contribui com quatro instituições: Clinica evangélica para tratamento de dependentes de drogas em Monte Mor – SP, Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira, Projeto Lona das Artes de Circo Social e o Núcleo Vinde a Mim.