Histórias de vida marcam universitários em Digília no Unasp

Vida no Campus

Escrito por

Tátila França

Publicado em

09 jun 2019

Crédito imagens

Aicom

Além das músicas e reflexões, a programação foi marcada por testemunhos e histórias de vida impactantes.

Oração, testemunho e muita música marcaram a Digília Jovem realizada no sábado (8), pela Pastoral Universitária do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), no campus Engenheiro Coelho. O tema escolhido foi “Eu amo a Deus porque ele me amou primeiro”. Cerca de 2 mil universitários participaram das 8 horas do encontro.

Cerca de 2 mil universitários e comunidade do Unasp estiveram presentes durante as 8 horas de encontro.

Além das músicas e reflexões, a programação foi marcada por testemunhos e histórias de vida impactantes. O pastor Edson Romero, diretor de desenvolvimento espiritual pela pastoral, explica que o objetivo da programação é trazer algo que impacte as pessoas positivamente. “Vemos muito nos cultos as pessoas falando dos seus problemas, mas são poucas que voltam para falar da transformação que Deus fez”, explica.

A história de Jeconias Neto chamou atenção pela virada de 180° no momento em que mais precisava. Após uma vida na criminalidade e envolvimento com drogas, hoje ele encontra sentido numa vida abnegada em favor do próximo. “Uma grande alegria falar de um amor tão profundo pela raça humana. Eu tenho sido renovado por Cristo ao estar aqui para falar a estes jovens”, declara.

O enfermeiro evangelista, Marlos Vieira, comoveu a todos com o seu testemunho. Há doze anos sua filha foi sequestrada e depois de três dias foi encontrada sem vida. Marlos fez a necropsia da própria filha e dos três jovens que a sequestraram. Um momento difícil que poderia ter o transformado em uma pessoa amarga. Contudo, ele conta que seu propósito agora não é viver com mágoas, mas ajudar outros a permanecerem no melhor caminho. “Meu objetivo é motivar os jovens para continuarem firmes, aconteça o que acontecer, Deus está no comando”, relata o palestrante.

Corais e grupos musicais do Unasp rechearam a programação com muita música.

Pessoas que poderiam estar fazendo qualquer outra coisa em uma tarde de sábado, decidiram participar do programa. “É muito bom ouvir essas histórias, às vezes para lembramos que o Deus que fez isso por essas pessoas, ainda é o Deus que faz as coisas pela gente”, conta a estudante Raniele Macêdo.