Espaço tecnológico do Origins – Museum of Nature onde mostra o ecossistema marinho.

O Colégio UNASP campus São Paulo oportunizou aos alunos das turmas do 6° ano ao Ensino Médio uma viagem virtual ao arquipélago de Galápagos, a fim de conhecerem o museu de uma das ilhas, o Origins – Museum of Nature. A tour pelo museu foi conduzida pela bióloga Maura Eduarda, egressa do Colégio e também do curso de Ciências Biológicas do UNASP.

A bióloga Maura Eduarda trabalha no Origins – Museum of Nature no arquipélago Galápagos, e foi a guia da tour virtual com os alunos.

Maura começou a excursão apresentando aos estudantes a localização do arquipélago, e como chegar às ilhas. “Todo mundo conhece muito Galápagos por causa da narrativa do modelo evolucionista, e realmente o arquipélago ficou muito famoso porque Darwin, há mais de 150 anos, passou por aqui e observou coisas extremamente interessantes que o impactaram de tal forma que ele colocou alguns dos exemplos que ele viu no livro “A origem das espécies”. Hoje as ilhas se mantém basicamente do turismo que é promovido por causa da ciência”, afirmou.

A bióloga contou que o Origins – Museum of Nature foi construído para apresentar uma narrativa alternativa, para que os turistas vejam que não existe apenas a teoria evolucionista para explicar a origem da vida. “Apresentamos a narrativa do modelo criacionista com os exemplos que vemos aqui em Galápagos”, enfatizou.

Os alunos puderam ver os 7 ambientes do museu (água, terra, ar, universo, design inteligente, estilo de vida saudável e sustentabilidade) cujo espaço principal é o da água, representado pelo ecossistema marinho. “O museu é cheio de tecnologia, e através dela queremos pegar os exemplos de Galápagos e mostrar que na natureza existe uma complexidade e informações tão grandes e organizadas que isso simplesmente não surge do nada, que isso só pode ter vindo de um Ser Inteligente”, explica Maura. Ao apresentar o ambiente do design inteligente, a guia também reforçou as diferenças entre o criacionismo e design inteligente, assim os estudantes puderam ter uma aula de forma mais prática e dinâmica. “O criacionismo é um modelo, e não uma teoria”, reforçou.