XX Semana de Letras e Tradutor e Intérprete do Unasp provoca reflexões sobre tecnologia    

Acontece no Unasp

Escrito por

Thamires Mattos

Publicado em

08 nov 2019

Discussões sobre inteligência artificial e o papel do humano são promovidas por profissionais e acadêmicos renomados da área

Na atualidade, humanos compartilham espaços – e trabalhos – com máquinas em todos os lugares. Por isso, a XX Semana de Letras e Tradutor e Intérprete do Unasp Engenheiro Coelho decidiu abordar “Linguagem líquida: inteligência artificial, ambiguidade e (IM) potência”. O evento, que ocorreu de 4 a 7 de novembro, contou com palestras voltadas para os dois cursos. Os convidados foram profissionais renomados no mercado, como Almiro Andrade, da IBM Campinas, e acadêmicos de outras instituições, como a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

De acordo com Ana Schaffer, professora dos cursos e organizadora da Semana, o tema foi escolhido por ser essencial a todos os profissionais da área. Tradutores lidam com softwares constantemente, e professores de linguagens devem estar em contato com a realidade da geração à qual lecionam. “Hoje, a tecnologia faz parte de nós; é uma extensão de nossos corpos”, aponta. Mesmo assim, a docente reforça que “nada substitui a essência humana”. Por isso, palestras sobre literatura e poesia tiveram lugar de destaque no programa. “As máquinas aprendem conosco, e podem até conseguir escrever textos complexos. Mas a essência e a emoção da humanidade não são capturáveis”, reflete Schaffer.

A coordenadora dos cursos de Letras e Tradutor e Intérprete, Creriane Lima, se mostra satisfeita com o alto engajamento dos alunos nas palestras. “Eles estão muito interessados. Tivemos auditórios cheios, e os convidados recebem diversas perguntas”, celebra. Creriane frisa que cursos das Ciências Humanas, como os que coordena, têm “tudo a ver” com a temática da inteligência artificial. “Vivemos em um mundo com linguagem robótica, e, justamente para questioná-la, a trouxemos para as discussões”, expõe.

O estudante de Tradutor e Intérprete Victor Storch está impressionado com a qualidade da programação. “As palestras são de alta qualidade. Aprendi a fazer melhor uso de softwares de tradução”, conta. Ele também coloca que percebeu, através dos convidados, a importância de valorizar seu trabalho, mesmo em meio a tantas tecnologias. Joseir Silva se formará esse ano no mesmo curso, e acredita que essa Semana foi a melhor que já vivenciou. “Saímos preparados para lidar com as inovações do mercado”, comemora.