Radiodocumentário resgata história da imigração japonesa no estado de São Paulo

Cultura e Ciência

Escrito por

Eva Cueva

Publicado em

28 nov 2018

Crédito imagens

Raiane Lívia

Na foto: Aira Annoroso, Giovanni Manzolli e Letícia Alves, produtores do radiodocumentário.

Em 2018 os descendentes de japoneses comemoram 110 anos da imigração para o Brasil

Neste ano, a Imigração Japonesa no Brasil completa 110 anos. Um assunto abrangente que teve visibilidade na noite desta terça-feira (27), através do radiodocumentário intitulado “Atarashi Ie: Um Novo Lar”. A produção do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), foi realizado por Letícia Alves, Giovanni Manzolli e Aira Annoroso, alunos formandos da faculdade de Jornalismo do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho.

Na foto: Letícia Alves, uma das produtoras.

A imigração japonesa começou no início do século XX. Em junho de 1908, o navio Kasato Maru atracou em Santos com os primeiros 781 imigrantes japoneses. Atualmente o Brasil abriga a maior população japonesa fora do Japão. Sendo assim, os nipo-brasileiros têm contribuído muito para o desenvolvimento do país. Estima-se que haja mais de um milhão de descendentes, cuja maioria reside nos estados de São Paulo e Paraná. Umas das colônias principais de japoneses em São Paulo fica no município de Registro, a 191 km distantes da capital, na porção paulista do Vale do Ribeira. Os estudantes adaptaram o tema para realizar seu último e mais importante trabalho. Segundo eles, nesta região existem poucas informações registradas sobre o assunto, sendo que uma das principais colônias e de grande influência precisaria de novos materiais jornalísticos para serem divulgados e para conhecimento das futuras gerações.

Foram mais de 20 pessoas entrevistadas. Entre elas, cientistas políticos e um depoimento exclusivo do Cônsul-Geral japonês no Brasil. Para a integrante do projeto Letícia Alves, os resultados depois da avaliação foram mais do que o esperado. “Depois que a gente entregou o projeto fizemos uma revisão e percebemos que alguns erros acabaram passando, mas acho que surpreendeu bastante o resultado, fico muito feliz pelo que os professores da banca avaliadora falaram. A gente vai mudar os detalhes sugeridos pela banca para investir nesse projeto”, afirma.

Na foto: banca avaliadora composta pelo orientador Me. Leandro Oliveira, pelo radialista Marcelo Matos e pela docente Me. Andreia Moura, especialista em divulgação cultural.

Sons de navios, aviões e o sotaque japonês foram alguns dos elementos escolhidos na realização do trabalho, embora a sugestão da banca foi de aperfeiçoamento nos efeitos sonoros para dar maior contextualização do tema e não correr o risco de ser comparado a uma grande reportagem. De acordo com Marcelo Matos, comunicador com mais de 15 anos de experiência no rádio, o tema escolhido do projeto foi ótimo. “O trabalho foi bem construído e o que diferencia um documentário de uma grande reportagem são as sonoras, os personagens dando seu testemunho e não apenas um jornalista falando. No geral, realmente fizeram um bom trabalho. Através deste trabalho espero que encoraje outros alunos a pensar num radiodocumentário que realmente mexa com a imaginação”, declara.