“Quer saber como um soldado voltou da guerra? Olhe suas cicatrizes”, é dito aos formandos

Notas Formatura

Escrito por

Aira Annoroso

Publicado em

28 fev 2021

Crédito imagens

Juliane Paroschi e Juliana Matos

Docente do curso de Fisioterapia.

A segunda parte das formaturas do UNASP campus São Paulo, dos alunos de Pedagogia e Fisioterapia, foi marcada fortemente pela mensagem do diretor de desenvolvimento espiritual do campus, pastor Robson Aleixo. Aleixo comparou os formandos com soldados de guerra, que passaram por diversos momentos e desafios durante os últimos anos que deixaram marcas. Segundo ele, essas marcas dizem muito sobre eles e sobre suas forças. “Quer saber como um soldado voltou da guerra? Olhe suas cicatrizes”, disse aos formandos.

Fisioterapia

Em primeiro lugar, a aluna representante do curso de Fisioterapia destacou a importância da Fisioterapia para a manutenção da saúde e o quanto o UNASP foi responsável pela construção disso. “Sairemos hoje daqui com o desejo de servir e cuidar de vidas”, afirmou Daiani Noronha.

A docente Paula Lima parabenizou os formandos por mais uma etapa vencida, destacou que novos caminhos se abrirão daqui para frente e a importância da empatia. ”Mesma nessa loucura, eu desejo que vocês alcancem a paz”, disse. “Descubra quem vocês são, e não o que esperam que vocês sejam”, acrescentou. E finalizando, aconselhou que os alunos sejam sensíveis às necessidades dos outros.

Pedagogia

Aluna do curso de Pedagogia.

Débora Oliveira, aluna de Pedagogia, destacou que a qualidade do curso não diminuiu com as aulas remotas, e mencionou o legado de amor a missão de formar cidadãos , deixado pelo professor Davi Mesquita, que lutou contra o câncer e faleceu em 2020. ”Que sejamos luz na vida de nossos futuros alunos”, disse.

A docente Camila Dias, relembrou os alunos de Pedagogia que durante esses 4 anos compartilharam conhecimento, orientações divinas e sonhos para educação. “O ano escolar de 2020 nos mostrou muitas coisas, mas o principal foi que a escola pode funcionar sem paredes, mas nunca sem professores, porque eles podem unir todos os pontos, lados e extremidades”, concluiu.