Pós-Graduação em Ciências Forenses oferece aula aberta de perícia em acidentes

Acontece no Unasp

Escrito por

Murilo Pereira

Publicado em

12 set 2017

Crédito imagens

Isaac Maciel

Famosas séries de TV com a temática da investigação criminal, despertaram não apenas a audiência como também o interesse por profissões relacionadas as ciências forenses. Fora da ficção e distante dos estereótipos construídos através da televisão, a carreira é uma realidade possível. A formação que habilita para este ofício cujo o princípio é servir a justiça, está próxima e acessível. No Unasp campus São Paulo, o curso de pós-graduação em Ciências Forenses dá a possibilidade de atuação em diversas áreas e funções necessárias para a perícia criminal. Além disso, o especialista em ciências forenses poderá atuar não apenas como perido, mas também professor em cursos semelhantes.

A área tem despertado o interesse de muitos estudantes. Vários deles, universitários de diversos cursos do Unasp-SP, lotaram o auditório do Salão Nobre na manhã de domingo, dia 3 de setembro para assistirem a uma aula aberta do curso de pós-graduação em Ciências Forenses.

Ministrada pelo professor, Adilson Pereira, experiente perito da Polícia Científica de São Paulo e docente do Unasp-SP, a aula apresentou técnicas de localística que é a forma como se pericia acidentes de trânsito. “Todos viram não só a respeito da importância das Ciências Forenses, mas a importância desse assunto no Brasil. Nós somos um país que tem muitos acidentes, muitas mortes e falta conscientização”, explicou.

Rogéria Ventura, coordenadora do curso de pós-graduação em Ciências Forenses, explica que a aula teve o objetivo de oferecer para os estudantes universitários a oportunidade de conhcer como é uma aula em um curso de pós-graduação lato senso e ajuda-los a aumentar as opções para o mercado de trabalho apresentando uma área que é diversa. “Dessa forma eles podem ter respaldo da seriedade em que o curso é conduzido, da boa formação dos professores que temos no curso e da empregabilidade que será maior após uma pós-graduação. É de fato uma atividade em que nós servimos a sociedade. Ampliamos a divulgação da informação e dessa maneira estamos contribuindo”, enfatizou.

Na apresentação inicial desta aula aberta, a diretora de pós-graduação pesquisa e extensão do Unasp-SP, professora Maristela Martins, deu as boas-vindas ao público e destacou de que estavam participando de uma aula normal do curso e que os alunos do curso estavam ali atentos para mais um dia letivo. Para aqueles que ainda vivem a realidade da vida universitária, a experiência trouxe mais descobertas.

“A aula me permitiu fazer algumas relações com a psicologia no sentido de prevenção de alguns comportamentos. Foi bem perceptível, pois por mais técnico que tenha sido a aula nessa questão de perícias de trânsito podemos ver que tudo é uma questão de as pessoas saberem como fazer e agir de forma a prevenir acidentes”, contou a estudante de psicologia, Alessandra do Vale.

Enquanto Alessandra percebe a contribuição que a sua área traz às ciências forenses, a psicóloga, Suzane Amaro, viaja a cada 15 dias de Mairiporã na região norte da Grande São Paulo, para cursar a pós-graduação em Ciências Forenses no Unasp, pois já sabe como sua profissão pode ser aplicada no dia a dia de um perito criminal. Para a pós-graduanda, a experiência de dividir a aula com tantas pessoas foi enriquecedora. “Todas as aulas sempre me surpreendem. Os professores são ótimos. Todos muito profissionais e peritos. Estou gostando bastante das aulas e do conteúdo. Para quem assistiu pela primeira vez foi uma boa forma de conhecer o curso. Quanto mais gente se interessar, melhor para nós. Eu recomendo para quem gosta e tem essa vontade de trabalhar com isso, pois ajuda a justiça a resolver crimes”, disse.

Na experiência de décadas como perito, policial científico e professor de ciências forenses, Adilson Pereira, ressalta de que vale muito a possibilidade de conhecer o ofício de perícia criminal além do que mostram as telas das séries ou do cinema. “Há muita mística por causa da televisão. A pessoa vendo o que se faz, em uma aula como essa, vai ter uma ideia real do fato e não uma ideia hollywoodiana da profissão. Os programas até ajudam, mas não dão a realidade. Cabe a nós fazer esse esclarecimento”, conclui.