Estudantes adotam novas rotinas durante a quarentena para garantir aprendizagem

Não Classificado

Escrito por

Glória Barreto

Publicado em

24 mar 2020

Os irmãos Luiz Arthur e Vitória Gross vivendo novas rotinas e estudando em casa.

Horário para assistir TV, realizar tarefas escolares, estudar a bíblia, brincar no quintal, usar algum eletrônico e participar de pelo menos um afazer doméstico. Essas são algumas atividades que tem preenchido o dia a dia dos irmãos Vitória e Luiz Arthur Gross. Eles são alunos da educação básica do Colégio Unasp Engenheiro Coelho e tem encontrado na diversidade de atividades uma rotina relativamente normal neste período de quarentena por causa da COVID-19.

A mãe dos irmãos, Cátia Gross, conta que tem utilizado essa diferentes atividades para deixar seus filhos ocupados e aprendendo dentro de casa. “Estamos tentando manter uma rotina parecida, mesmo não indo para as aulas. Fazendo algumas atividades de escola no período da manhã, que é o horário que eles têm aula. E à tarde, algumas atividades extras como estudar um instrumento, assistir as aulas online do curso de inglês e, claro, ainda sobra tempo a mais para brincar, assistir televisão ou jogar algum jogo e brincar no quintal”.

Aulas dos Colégios Unasp

Desde o dia 16 de março, os Colégios Unasp solicitou que os pais que pudessem, não enviassem os filhos para a escola e no dia 23 suspendeu temporariamente as aulas presenciais, como medida preventiva e para atender o DECRETO 64.862 do Governo do Estado de São Paulo. Essa paralização que está ocorrendo a nível mundial, busca desacelerar o contágio do coronavírus, mantendo todos em casa. Tal realidade exigiu uma nova estratégia de ensino nos três Colégios Unasp, que têm criando meios para oferecer possibilidades de aprendizagem, através do envio de atividades acadêmicas aos seus alunos. Para isso, os professores têm usado os canais virtuais de postagem de tarefas, para repassar atividades e conteúdos aos seus alunos. Alguns professores preparam aulas on-line e utilizam muita criatividade para manter seus alunos interessados, mesmo sem sair de casa.

Essa tem sido a nova rotina da professora de ciências do Colégio Unasp Hortolândia, Bruna Bonazzi.

Professora de ciências, Bruna Bonazzi preparando aulas em vídeo.

“Tenho preparado três videoaulas por semana, pois é o equivalente a quantidade de aulas que teria com eles durante a semana. É um trabalho diferente e difícil, porque na aula você tem a resposta deles, percebe se estão compreendendo, se tem perguntas. Mas tenho me esforçado ao preparar as videoaulas, a fim de que sejam dinâmicas e compreensíveis aos alunos”, explicou a professora.

Para a educação infantil e ensino fundamental I nem sempre é fácil criar uma videoaula que prenda a atenção das crianças e alguns professores tem apostado na criatividade. Como a professora de música Talita Biachini que usou panelas e objetos que as crianças tem em casa. E criando de uma combinação de versos e marcação rítmica, trabalhou as propriedades do som: agudo e grave, forte e fraco.

Novos ambientes de estudo

Sem dúvida, as aulas presenciais sob a orientação dos professores são mais completas. Porém, diante desta necessidade de continuar estudando em casa, os professores e pais tem buscado novas alternativas.

A sala de estar da casa das alunas da educação básica, Larissa e Karine Oliveira, por exemplo, virou uma sala de aula temporária para receber os conteúdos disponibilizados online pelo Colégio Unasp.

“Adaptamos tudo para atender essa nova demanda de estudos. A escola está mandando muito conteúdo para manter o ensino e nossa sala virou a classe, estamos dedicando um computador para as crianças e interagindo bastante neste processo de ensino”, conta Keila Oliveira, mãe das crianças.

A iniciativa da instituição seguir com aulas à distância foi elogiada. “É um momento muito incerto para todos, mas acredito que as incertezas sobre a continuidade do aprendizado estão menores. O Colégio Unasp agiu rápido e tem informado sobre todos os detalhes”, comenta Keila.

Novas rotinas de estudo

Os estudantes que tem estabelecido e seguido uma agenda de atividades para cumprir ao longo do dia, mesmo sem sair de casa, tem relatado mais sucesso e tranquilidade.

“Agora eu entrei numa rotina, mas ainda estou acostumando. Eu ainda posso usar melhor tempo, mas já está bem feliz”. Estudante Giulia Burlandy contando sobre sua nova rotina de estudos.

É o que relatou a estudante do terceiro ano do Ensino Médio do Colégio Unasp Hortolândia, Giulia Burlandy. “Nos primeiros dias foi mais complicado, porque eu não estava acostumada a ficar tanto tempo em casa. Me perdia muito no horário, parecia uma barata tonta. Eu tentava fazer as coisas, mas acabava que eu me perdia no tempo”, descreveu a aluna.

Depois de colocar no papel as coisas que queria realizar ao longo do dia, Giulia explicou que ajustou o horário para acordar, sua mãe a ajudou escrevendo um roteiro do dia e as coisas foram se ajustando. Atualmente ela sente seu dia muito mais produtivo.

“Eu acordo mais cedo do que acordaria se estivesse de férias, mas um pouco mais tarde do que o horário de ir para a escola. Eu faço meu culto pessoal, tomo 15 minutos de sol para manter a vitamina D, que minha mãe disse que é muito importante, depois eu faço as tarefas até o horário do almoço. À tarde também tenho horas de estudo, mas incluo alguma atividade física. E à noite a gente faz o culto em família e temos o tempo livre pra ler um livro, assistir filme”, explica Giulia.

Segundo a aluna, organizar seus horários a permitiu desafiar a si própria. “Agora eu entrei numa rotina, mas ainda estou acostumando. Eu ainda posso usar melhor tempo, mas já está bem feliz”.

Rotina traz segurança

De acordo com especialistas na área de pedagogia e psicopedagogia, a rotina favorece estabilidade, segurança, autoconfiança e autonomia. É o que explica a psicopedagoga que atua na graduação e pós-graduação do Unasp São Paulo, doutora Catherine Araujo: “quando os alunos conseguem cumprir a rotina pré-estabelecida emerge sentimentos de bem-estar, satisfação e autovalorização, sendo esses componentes importantes para a saúde emocional”.

Faça sua Rotina

A doutora Catherine deixou algumas dicas que podem ser úteis nesse momento de “home school” para o sucesso acadêmico e pessoal:

E ao final do dia vale fazer uma análise para verificar quais atividades podem melhorar e o que não foi cumprido. Desta forma, as crianças podem pensar em quais melhorias adotar no dia seguinte.