Encontro comemora 100 anos de criacionismo no UNASP-SP

Não Classificado

Escrito por

Redação

Publicado em

09 mar 2015

O UNASP campus São Paulo é uma instituição de ensino criacionista. Como parte das comemorações de seu Centenário, aconteceu, entre os dias 6 e 8 de março de 2015, o Encontro de Criacionismo “UNASP – Há 100 anos Celebrando a Criação”. Pesquisadores e educadores criacionistas se reuniram na comemoração e compartilharam conhecimentos e experiências com o público.

Um dos cientistas convidados e referência na área, o doutor em Geotecnia pela USP, Nahor Neves de Souza Jr, abriu a série de palestras com o tema “O passado, a chave para o presente e o futuro”. Há 40 anos o doutor Naor se dedica a estudos que aceitam e compreendem a origem da vida conforme o Criacionismo. Ele diz que sua vida tem um significado maior por estudar o Criacionismo. Ao falar sobre a necessidade que o ser humano tem de Deus, Neves diz que “existe uma tendência natural de buscarmos a Deus. Um dos pais da ciência moderna, Blaser Pascal, disse que todo ser humano nasce com um vazio no seu coração que tem o formato de Deus. No nosso âmago existe uma vontade de conhecer a Deus. Nascemos com isso”, afirmou.

Educação e Criacionismo

O presidente fundador da Sociedade Criacionista Brasileira, Ruy Carlos de Camargo Vieira, também participou da celebração. Quando questionado sobre a ligação da Sociedade Criacionista com a área da educação, ele destacou que o órgão contribui para educar e promover o conhecimento. “A fundação da Sociedade Criacionista Brasileira está intimamente ligada à questão da educação, exatamente para alertar os jovens que estão sendo formados, no sentido de saberem que existe farta documentação a favor do ponto de vista criacionista”, justificou.

O pioneiro adventista em estudos criacionistas no Brasil, professor Orlando Rubem Riter, hoje com 90 anos, foi homenageado no evento e lançou, no sábado, dia 8 de março, dois livros de sua autoria: “Estudos em Ciência e Religião” pela Sociedade Criacionista Brasileira (SCB), uma reedição de duas apostilas escritas por ele na década de 1970 cujo conteúdo foi pioneiro para o ensino do Criacionismo na época, e “O Professor, sessenta anos educando gerações”, Casa Publicadora Brasileira (CPB).

“Para mim, era natural ser criacionista, mencionar o Criacionismo em uma escola com fundamentos como tem essa escola e as nossas escolas adventistas”, declarou.

O ex-aluno que também já foi vice-diretor geral do UNASP-SP e professor da instituição, Edmir de Oliveira, esteve presente no encontro e lembrou com carinho os momentos que passou no UNASP-SP, e como o bom relacionamento entre alunos e professores foi um diferencial. “As atividades espirituais e a música de alto nível sempre me impressionaram muito. Ter conhecido minha esposa aqui é uma das coisas que mais marcou minha vida”, afirma ele, que completou, no ano passado, 50 anos de casado. Quem realizou seu casamento foi o professor Orlando Rubem Ritter que, cinquenta anos depois, fez o sermão de comemoração das bodas de ouro.

Ao relembrar a maneira como o professor Ritter lecionava e como o Criacionismo estava presente na sua didática, Edmir diz que, como professor de História, sempre explicou o Criacionismo e também mostrou o teoria evolucionista. “Eu sempre expliquei fazendo uma comparação entre criacionismo e evolucionismo. Mostrava os três pontos básicos do Criacionismo e os três pontos fundamentais da Evolução. Eu fazia alguma comparação, mas sempre deixava que os alunos estudassem e definissem a situação”, conta. “Meus alunos tiveram a oportunidade de escolher, pois eu mostrei os dois lados. Os evolucionistas não agem assim. Dizem que isso é religião. Na verdade, tanto um lado como o outro não têm condições de provar uma coisa ou outra. Ambos têm que contar com a fé”, frisou Oliveira.

O jornalista Michelson Borges, autor do blog criacionismo.com.br, palestrou sobre “O Criacionismo na Mídia”, e diz que o primeiro desafio é a mídia secular entender que o criacionista não é um crente ignorante que não se interessa por ciência. “O criacionista não demoniza a ciência, antes ama a ciência como método e se preocupa com a cultura e com o conhecimento. O diferencial é que o criacionista faz um esforço individual para conhecer a ciência e conhecer a teologia e tenta harmonizar as duas naquilo que é possível”, completou.

O jornalista ainda relembra de nomes como Galileu, Copérnico, Isaque Newton que foram grandes cientistas que usaram o método científico e conseguiram compatibilizar a cosmovisão bíblica com a ciência. “O principal desafio é mostrar que pode haver um diálogo entre criacionismo e evolucionismo, se entendermos bem o que é cada um. Por isso digo que nas escolas deve ser ensinado um evolucionismo do ponto de vista crítico e o criacionismo naquilo que ele tem de científico”, considerou.

Segundo o coordenador do evento, doutor Marcos Natal, o propósito foi alcançado. “O Criacionismo é, talvez, a marca mais forte do nosso ensino. Tínhamos que fazer a celebração desse momento aqui no campus. O encontro superou minhas expectativas, pois conseguimos reunir os pioneiros do criacionismo no Brasil e os que hoje estão à frente da causa. Tivemos a presença do professor Ritter, que foi quem iniciou os estudos na área, e, além dele, outros nomes, como Rubem Aguilar, Roberto Azevedo, Nair Ebinger e outros pesquisadores da área”, destacou.

Ao falar sobre a iniciativa do UNASP-SP em promover este encontro, o pós-doutor em Espectromia de Massas e diretor executivo da Sociedade Brasileira do Design Inteligente, Marcos Eberlin, elogiou a iniciativa da instituição.

“Foi absolutamente incrível estar aqui com homens que nunca dobraram seus joelhos a teorias de homens, mas que seguiram os dados, que seguiram a palavra de Deus, infalível, e hoje se veem referendados pela própria Ciência”, enfatizou.

No próximo ano, do dia 21 a 24 de janeiro, acontecerá o 8º Encontro Nacional de Criacionistas, quando muitos outros cientistas e pesquisadores da área vão se reunir no UNASP-SP para novas discussões. Mais informações em breve pelo site www.unasp-sp.edu.br

por Murilo Pereira e Rosemeire Braga