Dissertação de mestrado aborda questões étnico-raciais no âmbito acadêmico

Profissão e Mercado

Escrito por

Redação

Publicado em

12 dez 2018

Crédito imagens

Mayara Pereira

A mestranda Luana Carvalho é uma das alunas concluintes do mestrado profissional em Educação do Unasp

A inclusão social no âmbito acadêmico é uma questão abordada por diversas frentes. Mas quando o assunto é preconceito social na escola a atenção deve ser direcionada de forma inclusiva e atenta. A aluna Luana Carvalho Arantes, do Mestrado Profissional em Educação do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho, apresentou sua defesa de mestrado com o tema “Representações sociais no âmbito acadêmico jurídico: a valorização de uma educação inclusiva. A dissertação contém questões étnicas raciais como a marginalização e discriminação do negro.

A pesquisa mostrou que o preconceito perdura no meio acadêmico jurídico, mas surge a possibilidade desse assunto ser trabalhado nos cursos de Direito, tendo em vista que o próprio curso faz parte das ciências sociais aplicadas. Os dados apontam uma realidade desleal, são poucos alunos e professores negros presentes no curso de Direito. Desta forma, a pesquisadora lançou em seus estudos o objetivo de trabalhar a questão étnico racial no ensino superior, já que a representatividade é mínima.

Luana estruturou um protótipo de um folder informativo, contendo um número abrangente de dados e informações precisas. Sua conclusão mostrou que a educação possibilita a quebra de preconceitos e que há uma necessidade maior de espaço para fomento de questões étnico raciais.

Os desafios do pesquisador não terminam após apresentação de um novo estudo eles iniciam a cada nova descoberta. Luana é formada em Direito, mas escolheu trilhar pelos caminhos de um dos principais da sociedade que é a educação. “A minha trajetória até aqui foi marcada por muitas lutas e muito esforço. Mas eu estou muito feliz e realizada com todo o processo, porque me gerou bastante aprendizado e é muito gratificante ter passado todo esse caminho”, declara.

  Para a professora orientadora Drª. Germana Ponce de Leon, o crescimento da aluna foi perceptível ao longo dessa jornada. “Percebe-se nesse contexto de orientação o crescimento que a aluna teve nessa caminhada, e essa mudança foi extremamente significativa. Primeiro porque ela passa a assimilar e se apropriar de uma linguagem um tanto educacional e se aprimorar de um conhecimento que remete à questão da valorização dessa diversidade étnica e cultural brasileira. E sobre uma perspectiva jurídica, como advogada, ela cresceu também pelo fato de enxergar as leis sob uma nova perspectiva”, conclui.