Curso de História apresenta nova proposta para 2014

Não Classificado

Escrito por

Redação

Publicado em

27 fev 2014

Nos últimos anos, no Brasil, as licenciaturas não têm atraído mais um grande número de estudantes de graduação. Porém, contrariando a realidade, este ano o curso de Licenciatura em História do Unasp-EC atingiu o total máximo de vagas para ingressantes.

Com o objetivo de enriquecer o currículo escolar desses alunos, o curso de História procurou elaborar um horário que favoreça o encontro de todos os alunos para um momento nomeado de Estudos Avançados em Licenciatura e História. Todas às terças-feiras, no terceiro horário, professores do curso e convidados discorrerão sobre temas contemporâneos inseridos no espaço escolar, na ótica dos historiadores e áreas afins.

Dessa forma, para recepção ao ano letivo e inaugurando este espaço de Estudos Avançados, foi realizada no dia 18 de fevereiro uma aula magna para os alunos. A apresentadora foi a historiadora Sara Cristina de Souza, doutoranda pela Unicamp. Ela é mestre na área de História Cultural, com ênfase em História das Religiões, e ministrou uma palestra intitulada "As lentes da história – pensamentos sobre habilidades de leitura e escrita da história". O tema de sua dissertação foi “Cristandade de Colores: a Igreja Católica e o Movimento de Cursilhos de Cristandade durante a Ditadura Militar no Brasil (1964-1980)”, defendida em 2009 pela Unicamp. Atualmente Sara pesquisa a representação do Islã na imprensa estadunidense durante a Revolução Iraniana em 1979.

Após um panorama da Revolução Iraniana, que completa 35 anos em 2014, a palestrante discorreu sobre habilidades de leitura necessárias. Problematizou o ditado chinês “uma imagem vale mais do que mil palavras", no que se refere às imagens criadas pelo fundamentalismo cristão norte-americano sobre o Islã e veiculadas pela revista Christianity Today. Citou as reportagens do jornal The New York Times sobre a Revolução Iraniana entre 1979 e 1989 e o ponto de vista da política norte-americana. Opinou ainda sobre o debate entre dois historiadores orientalistas que se contrapõem – Bernard Lewis e Edward Said – destacando a contribuição deste último no livro clássico “Orientalismo: a Invenção do Oriente pelo Ocidente”.

A palestrante também tratou sobre a importância da leitura crítica, da produção de textos de história com a preocupação em compreender as representações sobre o Oriente e a necessidade um olhar que desmonte discursos construídos pela mídia, pelas instituições oficiais. “Devemos evitar dois pecados capitais em nossa profissão: o juízo de valor sobre o que pesquisamos e o anacronismo, ou seja, trabalhar conceitos e ideias de uma época para analisar os fatos de outro tempo”, afirma Sara. Ela também acrescenta que pesquisas acadêmicas podem ser equivocadas ao tentar avaliar um determinado tempo histórico à luz de valores que não pertencem a essa mesma temporalidade.

Para Denise Scandarolli, colega da palestrante desde os tempos de graduação e professora nos cursos de História e Música do Unasp-EC, a palestra foi produtiva. “Acrescentou muita informação, despertou o interesse dos alunos calouros e criou oportunidade para os veteranos utilizarem conceitos históricos em suas indagações, o que é muito importante”, avalia.

O aluno Luiz Eduardo Oliveira afirmou que “a palestra revelou o desconhecimento do Ocidente sobre o Islã em sua essência e a leitura distorcida da mídia”. Na opinião da professora Dayana de Oliveira, uma das incentivadoras da ideia dos Estudos Avançados, o espaço para o debate foi criado para que “instigue a reflexão e uma prática docente transformadora”.