Celebração motiva estudantes colportores

Acontece no Unasp

Escrito por

Assessoria de Imprensa

Publicado em

14 maio 2018

Nos períodos de férias mais de 700 universitários do Unasp dedicam suas férias para oferecer literatura de saúde, educação e motivação familiar em todo o Brasil

Relatos de vidas transformadas e experiências profissionais marcaram a celebração da Semana da Colportagem Estudantil no Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho. Nos períodos de férias, cerca de 700 estudantes dedicam suas férias para vender livros sobre saúde, educação e motivação familiar. As atividades da semana especial foram desenvolvidas pelo Instituto de Desenvolvimento do Estudante Colportor (Idec). O trio musical Art’Trio também participou do evento.

A Colportagem é um serviço de distribuição de literaturas sobre saúde, motivação familiar e educação. A atividade para estudantes foi desenvolvida pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, mantenedora do Unasp, como um meio para viabilizar o custeio dos estudos. Atualmente 12 mil jovens, em toda América do Sul, colportam em algum período do ano, sendo que 9 mil já são universitários.

São inúmeras histórias de pessoas que tiveram grandes realizações enquanto estavam colportando. Adilson Morais que há 30 anos trabalha nessa área é o líder associado de publicações para a América do Sul da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Segundo ele, a colportagem é tudo na vida dele. “Através dela, eu conheci um Deus vivo e real. Consegui também os meios de custear meus estudos. Conheci minha esposa. Recebi o convite para o serviço pastoral.  Além de ver vidas convertidas para Jesus, tudo isso na colportagem.”, conta.

A instituição recebeu durante a semana diversos estandes de várias equipes, espalhado pelo campus, convidando novos integrantes. E durante o fim de semana aconteceu a celebração de gratidão e exposição de relatos de pessoas que foram beneficiadas pela colportagem. O trio Art’Trio participou do evento realizando concerto especial na sexta (11) e sábado (12).

Os jovens foram motivados há participarem dessa obra não apenas pelo recurso financeiro, mas também pela vasta possibilidade de conhecimento. Isadora Mendes, de 19 anos, estudante de pedagogia, colporta desde os 15 anos, e afirma “No início não é fácil, e parece que Deus não está com você, mas depois é só sucesso. Ele abençoa quem trabalha”. Confrontada com ideia de não precisar desse meio para conseguir custear a faculdade, ela afirma que continuará a colportar. “Se alguém chegar e oferecer para pagar meus estudos, eu com certeza continuarei colportando, porque é muito gratificante você ser usado por Deus”, conclui.