Brasil terá cada vez mais idosos, diz pesquisa

Não Classificado

Escrito por

Redação

Publicado em

01 out 2014

O Brasil é um país de jovens, mas tende a ter uma população mais idosa a cada ano. Segundo uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a taxa de natalidade está em queda e a melhora da qualidade de vida das pessoas mais velhas fará com que o nosso país tenha um perfil demográfico de países do primeiro mundo. E 1960, o Brasil tinha 3,3 milhões de pessoas com mais de 60 anos. Em 2010, esse número já ultrapassa os 20 milhões. Ou seja, a realidade de ter mais pessoas que dependem de previdência social para viver está cada vez mais próxima do Brasil.

Por isso, 2014 é o ano em que mais pessoas estarão passando pelo dia do idoso, 01 de outubro. Segundo especialistas, ainda não existem motivos para a preocupação sobre como essa mudança de perfil afetará a economia, como acontece em países como a França, Alemanha e Bélgica, onde as mulheres cada vez têm menos filhos e a população idosa chega a números estratosféricos, comparado à quantidade de jovens.

De acordo com Eloizio Loiola, presidente do Conselho Regional de Serviço Social em Fortaleza, no Ceará, os avanços na qualidade de vida dos mais velhos ajudou a prolongar a vida deles. No entanto, ainda existe muito a fazer. “O aceso que eles devem ter a saúde, segurança e transporte não são os ideais, mas têm melhorado bastante”, afirma. 

Dia do Idoso

Na terça feira, dia 01 de outubro, é comemorado o Dia Interacional dos Idosos. Assim como o dia da mulher, que é lembrado em todo mês de março, o dia dos idosos serve para mostrar a importância dessa classe de pessoas para a sociedade. Hoje eles estudam, trabalham e até mantêm famílias. No entanto, apesar dos avanços, eles precisam tomas alguns cuidados básicos para manter a longevidade e a qualidade de vida na senilidade.

Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, os idosos devem ter sempre um acompanhamento mesmo que sejam aparentemente saudáveis. Pessoas dessa idade são mais propensas a adquirir doenças. Elas precisam sempre ir ao médico para prevenir qualquer sintoma.

Para a entidade, a falta de informação e acesso a saúde prejudica a qualidade de vida dos mais velhos. Além disso, é preciso criar uma rede integrada de atenção ao idoso. Isso significa que deve-se aperfeiçoar mais os profissionais que lidam com essa faixa etária e atender, de maneira integral, todas as áreas e demandas dos idosos.