Blog A mais

Setembro e o seu amarelo

Amarelo, amar-elo. 

Oi, Como Vai Você?
Eu, de coração, espero que bem.
Não sei se percebeu, mas esse mês deu uma certa amarelada. Sim, amarelo de sol, amarelo de pare e (re)pense, de alegria, de flor, calor e dia.
Amarelo de vida. 

Setembro costuma ser aquele mês de transição do inverno frio para a lindinha primavera. E é super interessante ver isso ocorrendo, principalmente em um local tão arborizado como o Unasp-EC.
Há um tempo costumo observar e escrever sobre a questão do florescer. Particularmente isso cativou a minha atenção quando precisei sair de um inverno rigoroso em minha vida e percebi que, assim como as flores, passamos por ciclos e estações. 

“Mas o que tudo isso tem a ver comigo, Lay?”
Calma, jovem mancebo. Vou te explicar.

Assim como as flores precisam de forças externas para serem cultivadas, você, eu e seu próximo (amigo, familiar, pessoa próxima à você), necessitamos de ajuda para sair dos nossos invernos.
É isso mesmo, estou falando dos tão comentados sofrimentos emocionais e dos efeitos deles em nossas vidas. Seja você a pessoa que possui ou que a acompanha.
Observei que muito ainda precisa ser falado sobre a prevenção do suicídio. Inclusive para as pessoas próximas àquelas que estão com tanta dor da alma. Hoje eu vou (ao menos tentar) te ajudar a identificar e auxiliar seus amigos com algumas dicas de especialistas e pessoas que me ajudaram a florescer.

Prepare-se, jardineiro, você tem algumas sementes para fazer brotar. Mas já te aviso: isso vai exigir tempo.
Pronto? Vamos lá!

1. Seja gentil com cada universo

Cada mente é um universo infinito.”
                                                 – Augusto Cury

Muitas vezes não temos a mínima noção do que se passa na mente das pessoas à nossa volta. Quais são seus pensamentos, emoções, anseios, desejos, sonhos, medos? Não temos acesso até o outro permitir. A mente humana é um universo lindo e único, cada qual com sua história e formação. Por isso, o primeiro passo é ser gentil com o universo que chocar com o teu.
Sabe aquela coisa do “se não vai ajudar, então não atrapalha”? É mais ou menos nessa pegada.
Reflita melhor sobre as coisas que tem falado, escrito, publicado e comentado. Sei que somos maus, mas não precisamos assumir essa identidade se não quisermos.
Leve sempre em consideração o fato de você não conhecer profundamente aquele alguém. Pense se este comentário ou atitude faria você feliz, ou qualquer pessoa que ame.
Escolha ser luz e espalhar ela, ao invés de apagar a dos outros.

“Seja gentil, pois cada pessoa que você encontra
está travando uma grande batalha.”
– Extraordinário

2. Desperte a humanidade dentro de você

“Somos uma única espécie. Deveríamos amá-la
e cuidar dela mutuamente,
caso contrário não sobreviveremos”
                                                           – O Futuro da humanidade, Augusto Cury

Ser sensível e vulnerável é algo que está sendo retirado de nós aos poucos. Muitas vezes por esses dois serem associados ao termo “trouxa, ingênuo”, entre outros. O que na verdade não entendemos é que essas duas características – em equilíbrio correto – podem não só ajudar o nosso próximo, mas a nós mesmos a conquistar a real felicidade. Acordar para perceber o outro é um importante passo em sua vida.
Mas calma, eu vou te ajudar a identificar alguns sinais de “help” que podem ser exalados sem percebemos. Na verdade a Jéssica, psicóloga aqui do Unasp-EC, vai te revelar alguns comportamentos que devem despertar a nossa atenção:

  1. A pessoa falar sobre querer morrer ou tirar a própria vida;
  2. Desesperança: não vê saída para nada, nem razão para viver;
  3. Aumento do uso de álcool e outras drogas;
  4. Dormir muito – ou quase nada;
  5. Alterações súbitas do humor;
  6. Ansiedade intensa ou muita agitação;
  7. Frases como “vou desaparecer”, “vou deixar vocês em paz”,
    “eu queria dormir e nunca mais acordar” podem expressar ideias ou intenções suicidas.

Essa última indicação, assim como muitas outras, você encontra no site do Centro de Valorização da Vida (CVV).

Obs: Se você se identificou com alguns desses comportamentos, clique aqui para obter ajuda.

3. Escute empaticamente

“Meu cérebro precisava de medicamentos,
mas minha alma precisava de diálogo.”

                                                              – O Futuro da Humanidade, Augusto Cury

É bem comum não termos ideia do que aconselhar quando uma situação dessas aparece para nós. Muitas vezes ficamos preocupados em achar as melhores palavras para comunicar que temos carinho pela pessoa e que nos preocupamos muito com ela. Que sem ela a vida não vai ser a mesma – em um sentido ruim.
Porém eu tenho uma coisa para te contar: podemos demonstrar amor em silêncio. Uma das coisas que os voluntários do CVV fazem é a nomeada “ligação silenciosa”. A pessoa ter a oportunidade de desabafar tudo que está no peito dela e, consequentemente, se escutar pode ser um tanto aliviante.

Agora imagine que, além da oportunidade de ser escutada, a pessoa poderá ter a linguagem corporal do ouvinte falando sobre o carinho e a preocupação que tem por ela?
Sabe o olho no olho? Segurar nas mãos? Coisas que parecem simples, mas que fazem toda a diferença.
Dedicar seu tempo a alguém é um dos maiores presentes que você pode dar.

De acordo com a Jessica:
“Ouvir alguém que deseja retirar a própria vida não é fácil,
portanto esteja preparado para oferecer uma escuta o mais acolhedora possível.
Não julgue! Permita à pessoa expressar seus sentimentos.”

Escutar empaticamente é permitir que o outro reflita em você. É aceitar o convite para entrar no mar das emoções de alguém, e ali ser vulnerável ao ponto de compreender, ao menos em parte, toda aquela tempestade de inverno. Mas lembre de ser a platéia empática, não o personagem. Afinal, queremos ajudar e não agravar a situação duplicando-a.

“Grande é aquele cuja força conquista mais corações
pela atração do próprio coração.”

– Extraordinário

4. Incentive a ajuda profissional

 “Não é fácil enfrentar nossas ruínas,
mas é a única maneira de sermos autores de nossa história
e não vítimas dela.”
                                            – O Futuro da Humanidade, Augusto Cury

OK, sabemos que essa parte ainda é um tabu para alguns, e é por isso que nosso incentivo e apoio é tão importante. Precisamos encorajar a procura por ajuda profissional, mesmo que tentemos dar o nosso melhor. Travar uma batalha no campo da mente exige sábios guerreiros especializados na área. Fortaleça em seu próximo a ideia de um treinador e guia para que juntos possam vencer a guerra. Permita que ele veja que não há problema algum em ser ajudado dessa forma. Loucura mesmo é não buscar ajuda. Se necessário, se ofereça para acompanhá-lo.

Se você é aluno do Unasp-ec, saiba que temos a pastoral universitária para te auxiliar.
Tem interesse? Aqui vão algumas informações:

Ramal: 9002
Número: (19) 3858 – 9002
Localização: segundo andar da faculdade, próximo à sala dos professores.  

Além disso, o CVV atende todos os dias 24h pelo site ou pelo número 188.

5. Mude as crenças

“Tudo aquilo que cremos nos controla.
Se o que você crê é saudável, tal crença o ajudará.
Mas se o que você crê é destrutivo, tal crença o algemará.”
– O Futuro da Humanidade, Augusto Cury

CALMA! Não estou me referindo a crenças religiosas.   
Na verdade, dentro do universo da programação neurolinguística (PNL) se fala muito sobre crenças limitantes. Mas o que seria isso?
De acordo com a IBC coaching, são pensamentos, interpretações que você toma como verdadeiros, mas que no fundo são falsas ou pelo menos não são verdades absolutas. Essas crenças impedem a sua vida de se tornar melhor”. (Leia mais)

Basicamente são aqueles pensamentos que temos sobre nós mesmos e as situações que nos rodeiam. Ressignificar e alimentar novas crenças é uma tarefa complicada – e sim, é preciso um profissional em conjunto. Mas existe uma forma mais leve de você aplicar isso, primeiro em sua vida, e também na das outras pessoas.

Se liga nessas dicas:

  1. Duvide de todos os pensamentos ruins e perturbadores. Questione-os, pois eles nunca são uma verdade absoluta;
  2. Busque compreender que você também tem o poder de controlar sua mente. Sim, será um exercício cansativo, às vezes não terá sucesso, mas não desista de assumir o palco da sua vida;
  3. Repita em voz alta crenças positivas a respeito de você e da vida. Exemplo: “Eu mereço”, “eu tenho valor”, “eu sou amado(a)”, “eu consigo”, “a vida é boa”, “vai dar tudo certo”, etc.  Parece loucura e super sem sentido, mas isso vai ajudar a reprogramar a sua mente. Afinal ela apenas obedece a comandos seus 😉;
  4. Acredite e ajude outros a acreditar. Mas lembre: é sempre um passo de cada vez. Sem pressão, ok?

Dica: Olhe nos olhos da pessoa ao repetir crenças positivas. Peça para que faça esse exercício contigo repetindo o que você disser. Incentive-a diariamente. Uma ótima crença é revelar ao seu amigo que ele anseia muito viver. O ponto final que ele deseja colocar não é na vida, mas sim na dor que ele sente. E isso pode ser feito de outras formas.

6. Ô sol

Vitamina D é um aliado importantíssimo no combate a várias doenças – desde resfriados até a depressão. Leve o seu amigo para o sol com um ar fresco. Se você é unaspense sabe muito bem que local para curtir aquele sol e brisa não falta.
Interessante saber que as palmas das mãos e pés são os locais que absorvem mais rápido essa lindíssima vitamina.
Eu mesma já saí por aí com as mãos para cima haha
Além de tomar a vitamina, dei ótimas risadas com meus amigos.
Experimente!

7. Respiração da alma

Ore antes de embarcar nessa viagem, pedindo ajuda do nosso amigo Espírito Santo. E interceda por seu próximo, até mesmo aqueles que você não conhece. Sei que não vamos alcançar todos fisicamente, mas podemos tocar através do poder do nosso Pai.

Nossa! Olha só a hora! Vou precisar parar por aqui, tenho que cultivar flores.
Espero ter te ajudado a ajudar. Desejo-te boa sorte no florescer.

E lembre-se: paciência é a chave. Nada muda do dia para noite.

Veja também

Gostando dos conteúdos?

Receba as atualizações no seu e-mail!
Insira seu endereço ao lado e não perca as novidades.